Esperança: “Adj Cmdo da RACACE são sabedores dos problemas das Praças, resta a conveniência

Nota do Editor: conhecemos, pessoalmente, alguns desses homens investidos em tão nobre missão. Sabemos de suas competências, caráter ilibado e, especialmente, “o conhecimento da causa”. Rogo que não lhes falte a coragem necessária, no desempenho do Cargo.

A 6ª Reunião de Adjuntos de Comando do Alto-Comando do Exército (RACACE) foi realizada no período de 3 a 5 de dezembro, no Quartel-General do Exército, em Brasília. Nessa reunião participaram os Adjuntos de Comando (Adj Cmdo) dos Comandos Militares de Área, do Estado-Maior do Exército, do Comando de Operações Terrestres (COTER), dos Órgãos de Direção Setorial, do Departamento de Educação e Cultura do Exército e das Diretorias do Departamento-Geral do Pessoal (DGP).

Durante os três dias de trabalho, os Adj Cmdo do DGP apresentaram assuntos relativos ao pessoal, dentre os quais se destacam: movimentações, avaliações e promoções, saúde, assistência social e pesquisa Adj Cmdo 2018, que está acessível no site do DGP.

Os assuntos sobre “cerimonial” e “medalhística” foram tratados pela Secretaria-Geral do Exército. Também foram discutidas questões referentes ao ciclo de ensino durante a carreira dos sargentos, desde a formação até os altos estudos.

O objetivo foi apresentar subsídios ao Alto-Comando do Exército para a modernização dos processos existentes e gerar economicidade por intermédio da racionalização de meios e pessoal. Uma das questões discutidas foi a criação de uma única Escola de Formação de Sargentos, a fim de se estabelecer um padrão único de referência para os modos de pensar, sentir e agir.

Essa referência baseia-se em atitudes construídas por meio de compartilhamento de tradições, valores e crenças organizacionais, as quais consolidam o sentimento de pertencimento ao grupo e a criação de uma nova cultura na carreira dos sargentos.

Dessa forma, os valores e as tradições da Instituição podem ser cada vez mais internalizados entre os graduados em formação, gerando um ganho intangível para a Força ao integrar quadros mais comprometidos e coesos.

Da mesma forma, acredita-se que o objetivo de criação de referenciais na carreira também seria alcançado por meio dos cursos de aperfeiçoamento e altos estudos ministrados na mesma organização.

Os Adj Cmdo dos Comandos Militares de Área e do COTER abordaram a atuação dos Adj Cmdo nas Unidades empregadas em Operações de Garantia da Lei e da Ordem e na Operação Acolhida, bem como os resultados desse trabalho.

Durante o período da reunião, os participantes da 6ª RACACE prestigiaram a cerimônia de assunção de cargo do primeiro Adj Cmdo do Centro de Comunicação Social do Exército e participaram da inauguração do Pátio das Batalhas, no vão central do Quartel-General do Exército.

De forma inédita, foi realizado o primeiro EBnario, utilizando link fechado no YouTube, para interação com todos Adj Cmdo da Força. Durante a atividade, o Segundo-Tenente Osmar Crivelatti, Adjunto de Comando do Exército, realizou uma explanação, na qual abordou assuntos tratados na 6ª RACACE.

Ao término, foi aberto espaço para os Adj Cmdo interagirem por meio de perguntas e observações. Na sala de reuniões do Alto-Comando do Exército (RACE), todos os Adj Cmdo integrantes da 6ª RACACE participaram do evento de assinatura das Instruções Gerais que irão reger o cargo que ora ocupam.

Na oportunidade, o Comandante do Exército, General de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, falou sobre a importância do trabalho desenvolvido pelos Adjuntos de Comando e os reflexos positivos observados. Ao fim da atividade, o Ten Crivelatti fez uma breve explanação dos assuntos tratados aos integrantes da RACE.

Os Adj Cmdo, ainda cumprindo atividades previstas da reunião, participaram das formaturas de conclusão dos Cursos de Formação de Sargentos, da Escola de Sargentos das Armas, da Escola de Sargentos de Logística e do Centro de Aviação do Exército, organizados em três grupos.

Fonte: Gab Cmt Ex

108 comentários em “Esperança: “Adj Cmdo da RACACE são sabedores dos problemas das Praças, resta a conveniência

  • 14/12/2018 em 12:18
    Permalink

    Haahahhaa!
    Só rindo mesmo. Uma imagem vale mais que mil palavras. Os generais e seus guarda costas!
    Adjuntos de comando, Só pensam em agradar a corte e manter seus conceitos.
    Fala sério EB!

    Resposta
  • 14/12/2018 em 12:36
    Permalink

    Estão alinhadinhos com os Generais, não passam de meros subservientes e X9, em nada vão nos ajudar! O Crivelati em uma palestra disse que esse blog e o do montedo só tem chorões e leões de alojamento. São Capitães do Mato para manter as regalias a custa do erário e as falcatruas do chefes! Bravas são as nossa PMs!

    Resposta
    • 16/12/2018 em 18:31
      Permalink

      Nessa parte concordo com Ele: “O Crivelati em uma palestra disse que esse blog e o do montedo só tem chorões e leões de alojamento”. Tentei reunir os QAO´s para verificar alguns problemas e tive como respostas da maioria: “não vai adiantar mesmo, meu filho está estudando, minha esposa está trabalhando, não quero me queimar”.
      Amigos sempre vai ser assim, “farinha é pouco, meu pirão primeiro.”

      Sub Ten 92.

      Resposta
  • 14/12/2018 em 14:32
    Permalink

    Daí é que não sai nada mesmo, depois de ouvir de um Adjunto de Comando que o único culpado de não sair QAO é o próprio subtenente. Eu acho simplesmente desnecessária essa função no exército. Os caras tem medo de se expor, pois tbém querem sair QAO.

    Resposta
  • 14/12/2018 em 18:03
    Permalink

    Uns puxa sacos. Não se comportam como homens, babando outro homem por conceito e promoção. São capazes de queimar seus próprios companheiros para subir na carreia. Tomem vergonha na cara, horem suas calças, suas esposas e filhos. Igual este Crivellati não tem igual…..capaz de falar que a não promoção de um sub é culpa dele mesmo. Caro canalha e traidor da classe…..o processo de promoção a QAO já foi condenado pela 2ª Instancia do TRF4.

    Resposta
  • 14/12/2018 em 20:47
    Permalink

    Trata-se de uma liderança fabricada ao sabor das conveniências. Servi numa OM que o adjunto de comando precisava escalar a força, usando de antiguidade praças para sentar na sua mesa no refeitório, tamanha era a aversão ao sua pessoa e seu cargo.

    Resposta
  • 14/12/2018 em 22:22
    Permalink

    Conversei com adjunto de comando da minha OM, deu para perceber que o cara tem uma inclinação mais para defender a instituição EB do que melhorar a vida do praça no seu dia-a-dia. Parece que os caras já saem do curso doutrinado para defender as ideias do alto comando. Essa de culpar o ST pela sua não promoção é de doer a alma. Os caras não conseguem entender que as exigências atualmente são absurdas para promover um QAO e que os requisitos mínimos exigidos para o acesso ao QAO, 30 anos de serviço efetivo e o CHQAO já o habilitam para a promoção. A gente não precisa de gente assim para nos defender.

    Resposta
    • 16/12/2018 em 18:36
      Permalink

      Estão seguindo a Diretriz do Comando: RACIONALIZAÇÃO. Apenas para os praças.

      Resposta
  • 14/12/2018 em 22:29
    Permalink

    Não vejo um praça que seja simpático a esse cargo. Eles não passam confiança e firmeza nos seus propósitos.

    Resposta
  • 15/12/2018 em 00:04
    Permalink

    Oh pessoal da “inteligência” é tão inescrupuloso o trabalho de vocês, será que vale a pena? Só para reflexão amigos!

    Resposta
  • 15/12/2018 em 06:25
    Permalink

    Não fizeram, não fazem e não farão nada pela classe, já saem doutrinado para não fazer. Desperdício de dinheiro público na formação desses caras. Deve estar sobrando gente no exército.Todo mundo sabe dos problemas das praças, só que ninguém quer resolvê-los. Fato que dispensa estudos ou outras ferramentas para detectá-los. Insanidade total!

    Resposta
  • 15/12/2018 em 13:09
    Permalink

    Eu quero ser nomeado para esta função.

    Resposta
  • 15/12/2018 em 20:04
    Permalink

    Eu vou dizer a verdade. Quando chegou na minha OM um adjetivo de comando chamado de Sgt de Eng B… virei as costas e o acompanhei até o pavilhão. Cidadão da pior espécie, quem se formou em 2001 e 2002 na EsSA conhece. Esse é o padrão dos adj. Lamentável.

    Resposta
    • 28/12/2018 em 22:35
      Permalink

      A turma de 2000 teve o desprazer de conhecer este traste

      Resposta
  • 15/12/2018 em 20:33
    Permalink

    Líderes medrosos que não se impõe, para não se indispor com o comando. Uma função inútil criada para desunir ainda mais os praças, assim facilitam o trabalho dos comandantes. Tipo que remete conceitos como massa de manobra, Maquiavel ou algo parecido. Na verdade ninguém está preocupado em melhorar alguma coisa na caserna.

    Resposta
  • 15/12/2018 em 21:36
    Permalink

    Sou Praça de 1987. Deixo aqui o que percebi aos longos anos na caserna. Esta função não funciona. O Adjunto de Comando jamais vai se expor para defender um Soldado Recruta, imagine defender um graduado. Tem que terminar com a promoção de QAO para que a união volte a reinar no circulo dos Praças. Terminar com o QAO e valorizar o salário. Exemplo: Subtenente com 30 anos de serviço, mas com um salário de Cap QAO. QAO não é reconhecido como Oficial, sim como um AUXILIAR. Precisamos que volte os Subtenentes “galo cinza”, eram poucos, eram barrigudos, calça abaixo no coturno, bigodão, saia do refeitório com um palito de dente na orelha, mas eram o SUBTENENTE. Colocavam toda a Sargentada na faxina junto com os Soldados e eles também com a vassoura na mão. Os Tenentes chamavam eles de Senhores Subtenentes pela consideração e respeito com os Líderes. O Subão quando chegava no Esquadrão para ver a faxina era o “terror” da guarnição de serviço. Hoje o Subtenente confere a faxina por fotos de whatssapp com preguiça de caminhar mada o Sargento de Dia mandar fotos virtual. Os “galo cinza” colocavam respeito e eram considerados pelos Comandantes. Hoje observamos os Quartéis com muitos Subtenentes, a maioria marombado, garrafinha de água na mão, malhação, coturno brilhando, pasta de executivo na mão e cabelo pintado. Cara o Subtenente tem que ser o Líder dos Praças. Cara tem Subão que não assina o cartão de cabelo do Soldado com medo. Hoje eles pensam no conceito e na promoção a QAO. Cara conheci um Adjunto de Comando que ficava no estacionamento anotando os carros dos Praças que estavam com pneus carecas. Pô cara,os Praças com dividas, com empréstimos para manter a família e o mano vai lá complicar que o pneu do carro do Pracinha estava “careca”. Fim do QAO e Fim da Função de Adjunto de Comando. Volta do SUBÃO GALO CINZA.

    Resposta
    • 16/12/2018 em 12:24
      Permalink

      Para pedir o fim do QAO, com certeza, você não foi promovido ao QAO.

      Resposta
      • 16/12/2018 em 21:46
        Permalink

        E voce saiu QAO? Defende este sistema (processo ) errado?

        Resposta
    • 16/12/2018 em 18:44
      Permalink

      Amigo com certeza lhe digo: Eles até podem ter um status na força por sua ocupação, agora deem um olhada em suas famílias, cheios de problemas. Conheço alguns aqui em Brasília que dentro de suas residências, são uns meros merdas. Obrigando-os a seguir seus caminhos, mesmo sabendo que estão prejudicando seus entes. Sem falar que muitos são separados e depressivos.

      Resposta
  • 16/12/2018 em 08:23
    Permalink

    O Adj de Cmdo tem que entender que o processo de promoção a QAO está totalmente errado e que tem que ser mudado para corrigir injustiças. Do jeito que está não pode ficar. É simples assim, isso não pode continuar. É muito triste ver um ST da turma de 86 ser chefiado por um QAO da turma de 93. São sete anos de diferença, humilhação pura! são sete de experiência menosprezada e isso infelizmente está acontecendo no meu quartel. Aí vem uns idiotas e dizem “ah, mas a culpa é do próprio ST que não correu atrás…”. Pois é, o QAO no caso é peito liso e o ST preterido possui medalha Corpo de Tropa de Ouro, medalha da Vitória, curso superior e mais os 7 pontos dos 7 anos de diferença entre eles do tempo de formação. Aí eu pergunto aos idiotas ao quais me referi: onde está o mérito do QAO peito liso e o demérito do ST aí no caso? será que é difícil julgar esse caso? simplesmente há uma distorção bizarra num processo vicioso, vergonhoso e criminoso desse sistema, será que é preciso desenhar isso? será que o senso de justiça desses idiotas aos quais me refiro sumiram das suas mentes? minha esperança é que os sistemas corruptos caem porque a verdade sempre prevalece, ainda que tarde.

    Resposta
    • 16/12/2018 em 22:36
      Permalink

      só falou merda.
      e isso que você disse não procede. tem praça que só quer meus direitos, meus deveres nada.

      Resposta
  • 16/12/2018 em 12:21
    Permalink

    Ninguém merece esse tal de adj de cmdo não serve pra nada, uma função decorativa e inútil. Os caras só servem pra puxar saco de comandantes. Na minha unidade o adj de cmdo se acha o último biscoito do pacote, não dá ouvidos a praças, é um babacão só.

    Resposta
  • 16/12/2018 em 13:09
    Permalink

    Espero que o Adj de cmdo do HCE resolva o problema da escala dos sargentos de saúde que fazem a assistência de enfermagem. Os Sgta estão fazendo o absurdo de 22 plantões mensais e ninguém os defende. Missão. para. Adjunto de comando resolver.

    Resposta
    • 16/12/2018 em 23:16
      Permalink

      Essa escala aí nem o MPF deu jeito. Tudo vai continuar do mesmo jeito com o tal adjetivo de comando.

      Resposta
  • 16/12/2018 em 18:58
    Permalink

    Podemos mudar isso.
    – Revolução amiga de Subtenentes e Sargentos;
    – Todos com tempo pedir reserva; Aqui um adendo: creio que todos já possuem um meio de moradia, seja própria ou alugada. Sabendo que a promoção será difícil, nada mudará financeiramente se ficarmos na ativa. Mudará se formos para reserva: teremos tempo para arranjar outras atividades, situação que não conseguimos ativa, sempre vai ter um de “acadimia” ou mesmo praça que vai puxar sua corda. Pense senhores, não deixe seu tempo passar dentro de um sistema que cada vez mais fica fracassado, sem valor, sem reconhecimento, etc. “EXISTE VIDA FORA DOS MUROS”.

    Resposta
    • 16/12/2018 em 19:43
      Permalink

      Não concordo com vc meu caro, se o sistema de promoção a QAO é criminoso, então tem que acabar e os responsáveis devem responder pelos seus crimes, devem pagar danos morais aos que foram prejudicados, porque ninguém está acima da lei.

      Resposta
      • 17/12/2018 em 09:02
        Permalink

        Concordo, esses canalhas tem pagar pelos seus atos, a CPQAO é uma vergonha.

        Resposta
      • 18/12/2018 em 07:24
        Permalink

        Concordo. Mais será difícil acontecer. Quando acontecer, você estará velho demais lutar. Pense! O tempo passa rápido meu amigo.

        Resposta
  • 17/12/2018 em 09:11
    Permalink

    Na minha OM sub de 87 está batendo continência para QAO de 92 peito liso um típico enrolão e bom de papo.

    Resposta
  • 17/12/2018 em 11:12
    Permalink

    O Praça tem que chegar até Subtenente com um salário equiparado a um oficial Intermediário. (capitão). O Oficial do QAO ele é um auxiliar e que fica dividido. Não é Oficial e nem Praça (nem um nem outro). Tem Carta Patente, sim mas no papel e na prática é diferente. Um garoto de CPOR pode ficar no Comando de uma tropa e um QAO com 35 anos de serviço Comandante de um Pelotão de Obras pode ser. O comentário acima tem sentido, terminando com o QAO os Subtenentes serão mais unidos.

    Resposta
  • 17/12/2018 em 12:25
    Permalink

    Onde sirvo adj cmdo não resolve nada, ele anota o problema na prancheta e fica por isso mesmo. Figuração pura!

    Resposta
  • 17/12/2018 em 21:05
    Permalink

    Conheço um ST do CFS 88. Ele formou o cara Sd EV e Cabo. O Cabo era auxiliar dele no Furriel. O cabo cursou a ESA 92 e hoje é Ten QAO chefe do Sub que formou ele Sd EV. O QAO é Chefe do Almox e o Sub e o cara que faz as compras para o quartel. O Sub é formado em Educação Fisica, paraquedista e Direito. O QAO é peito liso tem somente datilografia. O Sub sempre ficou na tropa e o QAO sempre foi de QG e Hospital. Saiu QAO e voltou para o Quartel que foi Sd EV e cabo antes da ESA. Que destino cruel a carreira deste sub.

    Resposta
  • 17/12/2018 em 22:00
    Permalink

    Só lamento! Hoje vou num jantar, vamos?

    Resposta
  • 17/12/2018 em 23:51
    Permalink

    Adjunto de Comando trabalha geralmente com o comandante, vc acha que ele vai indispor com comando porque o colega não saiu QAO? vc acha que ele vai aborrecer o cmt se ele também precisa de conceito? meus caros não se iludam com quem definitivamente não pode te ajudar. Eu nunca faria um curso inútil desses fora de propósitos sabendo que nunca iria ajudar alguém. PRETERIDO 92, SELVA!

    Resposta
  • 18/12/2018 em 07:26
    Permalink

    O DGP colocou uma pesquisa sobre Adjunto de Comando sem transparência nenhuma, apenas alguns foram escolhidos para responder. Por que não todos os praças??

    Resposta
  • 18/12/2018 em 11:34
    Permalink

    para 30, 40 ou até 50 anos, porque vivem num luxo monárquico à custa fi sofrido erário público! Não confio nesses cabras! Confundem uma instuição repúblicana com os seus currais, precisamos deixar de sermos cordeirinhos por conta de uma promoção a oficial (na verdade aux de of), lembrando que as praças não são e nunca serão oficiais, continuam sendo sargentos enfeitados com espadas! Fato!

    Resposta
  • 18/12/2018 em 13:59
    Permalink

    É a velha filosofia do exército: te pago a missão, mas não lhe dou os meios para a execução. É assim que funciona, se fizer alguma coisa já está no lucro. Todo mundo do alto escalão sabe disso. Nos jogam uns contra o outro, aí facilita para nos comandar, adj de cmdo é isso. Adj de Cmdo vai resolver o problema de escala? nunca, porque o dono da caneta é o comandante.

    Resposta
  • 19/12/2018 em 13:02
    Permalink

    Adjunto de Comando significa que o cara é adjunto do comandante. Então não se pode esperar ajuda de quem ajuda o comandante.

    Resposta
  • 19/12/2018 em 18:45
    Permalink

    Nada vai mudar, com ou sem esses adjuntos de comandos, os praças vão continuar se ferrando onde R-QUERO é soberano.

    Resposta
    • 19/12/2018 em 21:44
      Permalink

      por isso os praças estão assim……não agem….comecem a agir……..não vão neste papo de que nada vai mudar.

      Resposta
  • 19/12/2018 em 22:35
    Permalink

    SERÁ QUE OS ADJ CMDO IRÃO QUESTIONAR A ILEGALIDADE DA CPQAO EM 2ª INSTÂNCIA?

    Resposta
    • 22/12/2018 em 12:28
      Permalink

      Na minha unidade o adjetivo de comando defende o atual sistema de promoções ao QAO. Ele acha que o sistema está correto, o errado é o ST que não se adequa ao sistema.

      Resposta
  • 20/12/2018 em 08:11
    Permalink

    Esses caras aí só possui uma função rolha e nada mais, uma mera função decorativa e apática. Se um Hospital Militar não atende bem porque não possui recursos financeiros e com problemas estruturais o que é que o adj de cmdo vai fazer? Nada, nem mesmo nenhuma informação adicional ele pode dar porque simplesmente não as tem. Na minha OM a atuação do adj cmdo é nula, nem o trabalho de interlocução o cara faz, pior, o cara não tem conhecimento dos problemas que nos afligem. Outro dia o adj de cmdo levou um soldado que estava baixado na Seção de Saúde para o hospital, juro que não entendi nada, pra mim, ele substituiu o sgt sau.

    Resposta
  • 20/12/2018 em 21:32
    Permalink

    Na minha seção há uma falta de pessoal, principalmente, praças, que acarreta uma deficiência nos serviços prestados e uma sobrecarga aos que ali trabalham. Todo mundo sabe disso inclusive o comandante da unidade, mas como não tem gente o problema persiste. Aí entra o adjunto de comando em ação, faz um mapeamento do processo, identifica os gargalos da seção e chega a conclusão que realmente há falta de pessoal (praças). Então ele recomenda ao comandante que coloque mais praças na seção, como não tem, o problema continua. Aí eu pergunto, será que o sub Adj Cmdo não poderia dar uma ajudinha na minha seção?

    Resposta
    • 26/12/2018 em 15:29
      Permalink

      Leia a atualização do RISG, no que tange a função de Adj Cmdo, e saberá a resposta.

      Resposta
  • 20/12/2018 em 22:05
    Permalink

    Muito pracinha só faz – muito mal – o M1A1. Mas ainda sim, quer ser promovido ao QAO.
    ST da minha OM se vangloriando por ter “aproveitado” o CAS para encher a cara, fazer putada em Cruz Alta e ficar três meses livre da mulher. Mas, agora que está no 2º QA, agora está desesperado com a possibilidade de ficar novamente para trás.
    Talvez, agora, ele ponha a mão na consciência.

    Resposta
    • 21/12/2018 em 12:15
      Permalink

      Não meça com esta régua ridícula e desrespeitosa aos milhares de subtenentes do exército que deram sangue a instituição. Vc é um sem noção meu caro, não sabe nem o que está falando.

      Resposta
      • 21/12/2018 em 23:02
        Permalink

        Ficou indignado? Então, a carapuça serviu. Esse mesmo Subtenente que eu citei virou para mim e disse que o CAS é: Curso de Aprendiz de Sapateiro. Logo, se pode concluir que muitos praças não valorizam a própria caminhada dentro do EB. Ele é um dos muitos que abriam a boca para dizer que o CAS dele só foi cerveja, putada e liberdade. Agora, assim como muitos, ele está colhendo exatamente o que plantou (já está no 2º QA, correndo grande risco de não ser promovido em JUN 19).

        Da mesma forma, com a prova do CHAQAO, vejo muitos sargentos reprovando de propósito apenas para pegar aquela dispensinha de 30 dias para preparação para a prova. Depois, não passa e vai ficar choramingando dizendo que o EB não deu oportunidade.

        Resposta
      • 22/12/2018 em 08:17
        Permalink

        Milhares de Subtenentes que não saíram QAO???

        Resposta
    • 22/12/2018 em 08:15
      Permalink

      Pior que é verdade. A maioria só vai pro CAS pensando na zoeira e na folga de três meses da OM. Ainda por cima, a maioria sequer respeita os instrutores (Subtenentes e Sargentos) da EASA.
      A quantidade de alteração cometida por sargentos-alunos é muito grande.

      Resposta
    • 27/12/2018 em 09:30
      Permalink

      Ta achando que praça é como a maioria de oficiais…… isto é vagabundos?

      Resposta
  • 21/12/2018 em 08:16
    Permalink

    Cortam vaga no QAO e reduzem custos para bancar a mordomia da corte. Infelizmente é assim, quem acha que o Bolsonaro vai melhorar essa questão, está muito enganado porque os seus generais só falam em cortar gastos.

    Resposta
  • 21/12/2018 em 17:48
    Permalink

    Se o Bolsonaro nada fizer no caso dos ST para promoção a QAO, com certeza sua carreira e de seus filhos ficará comprometida.

    Resposta
  • 22/12/2018 em 08:30
    Permalink

    EU CONFIO NO BOLSONARO, ELE VAI MUDAR ESSA PALHAÇADA ATRAVÉS DE UM DECRETO PRESIDENCIAL.

    Resposta
  • 22/12/2018 em 10:22
    Permalink

    PROMOÇÃO A QAO NÃO É O CAS QUE SE LEVA EM CONTA. O QUE É MUITO LEVADO EM CONTA SE VC É BABA OVO, SE VC NÃO FOR PUXA-SACO PODE TIRAR 10 NO CAS QUE NÃO VAI ADIANTAR, PELO JEITO VC ESTÁ NO CURSO DE APRENDIZ DE SABICHÃO (CAS). SABE DE NADA INOCENTE.

    Resposta
    • 24/12/2018 em 08:37
      Permalink

      Você deve ser mais um daqueles que “aproveitaram” o Curso…
      E outra. O cargo Adjunto de Comando foi feito para destacar a praça que o ocupa. O único que se beneficia é o próprio militar que ocupa o cargo.

      Resposta
  • 22/12/2018 em 12:20
    Permalink

    Tem muito ST vida boa que nunca fez um curso e quer sair QAO. Conheço um, que só andava em hospital, sempre de licença médica, LTSP, LTSPF e agora quer sair QAO e não consegue e tá putinho.

    Resposta
    • 23/12/2018 em 07:14
      Permalink

      O processo de promoção é ilegal ……é decisão judicial, não interessa se o sub é ruim ou bom…….o que você acha que esta ilegalidade no processo causara? Ha vários subs sem mérito que foram promovidos, mais a DAProm e CPQAO diz que o processo é sigiloso e discricionário para esconder as falcatruas.

      Resposta
  • 23/12/2018 em 06:27
    Permalink

    O adjunto de comando da minha OM pensa igual general, aliás, eu acho que ele pensa que é o próprio general, nariz empinado, não olha para o lado e por aí vai. Outro dia ele andou dizendo que queria falar comigo e que eu o procurasse, simplesmente, eu ignorei-o, porque eu sou mais antigo.

    Resposta
  • 23/12/2018 em 18:29
    Permalink

    Conheço um camarada que entrou na justiça na época das transferências do Santa Rosa. O cara ganhou a ação.
    Tempos depois foi promovido a QAO e hoje é 1° Tenente.
    A regra é não ter regras.

    Resposta
  • 24/12/2018 em 11:24
    Permalink

    Não acredito nesses caras e acho que nem eles acreditam que podem fazer alguma coisa pela classe.

    Resposta
  • 24/12/2018 em 13:22
    Permalink

    Um Adjunto de Comando com imóvel na cidade ocupou o PNR e alugou a casa para o colega que seria o próximo a ocupar a casa que ele ocupou. O pior de tudo que o colega esta “atolado” em dividas, a Mãe e sogra moram com ele e família, ambas idosas. Depois um cara destes vem querer dar moral. Não acredito nesta função.

    Resposta
    • 26/12/2018 em 18:52
      Permalink

      – Conheço muito endividado com carro zerinho e completinho na garagem. A culpa do endividamento do ST é do Adjunto de Comando da OM? Existe, na Legislação, alguma coisa escrita que fale que o militar que possui imóvel não possa ocupar PNR?
      – Como está Constituição: “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei. (Art. 5º, Inciso II)”. Se não está na Lei, então o Adj Cmdo não está cometendo nenhuma irregularidade ou imoralidade.
      – Como aprendi numa OM do Sul do país: “Quem refresca “KU” de pato é lago”.

      Resposta
  • 26/12/2018 em 08:02
    Permalink

    É uma palhaçada esse tipo de função no exército, na minha OM está faltando gente pra trabalhar. Aí tiraram um sub pra fazer o curso de adj de cmdo, depois do término do curso,ele retornou e assumiu a função que é totalmente improdutiva, ociosa e apática. Enquanto isso a sua antiga seção está desfalcada até hoje.

    Resposta
    • 26/12/2018 em 18:57
      Permalink

      Você era o chefe de seção do ST? Faltando gente? Fala sério. O que mais vejo é militar, durante o expediente, grudado no Whattzap…

      Resposta
      • 29/12/2018 em 17:52
        Permalink

        Incluindo oficiais, não saem de face, paciência e whatsapp……

        Resposta
  • 26/12/2018 em 09:43
    Permalink

    Quero ver esses caras lutarem contra a ilegalidade da promoção a QAO, quero ver eles levarem os casos vergonhosos e humilhantes aos comandos para injustiças serem corrigidas. Se não houver nada disso então será mais um caso de dinheiro público jogado no lixo.

    Resposta
    • 26/12/2018 em 18:35
      Permalink

      Se você exercesse a função, você faria tudo isso aí, machão?

      Resposta
    • 27/12/2018 em 16:06
      Permalink

      Pode esperar sentado, eu como adj de cmdo só defendo a minha promoção a QAO. Não vale a pena lutar uma classe desunida de subtenentes medrosos e chorões.

      Resposta
      • 29/12/2018 em 17:50
        Permalink

        Um individualista e egoísta, não é melhor que sua classe desunida…….Mais existem ainda os subs de verdade.

        Resposta
  • 27/12/2018 em 07:46
    Permalink

    “De onde se menos espera não sai nada mesmo” é o velho ditado muito bem aplicado na atuação pífia dos adjuntos de comandos. Essa função foi criada para engessar ainda mais as resoluções dos problemas que um comando possa ter. É uma velha tática de comando. Colocaram mais um intermediário entre o comandante de companhia, cmt de pelotão e ch de seção na resolução dos problemas que atinge os praças, isto é, aumentaram a cadeia de enrolação para que os oficiais possam compartilhar menos responsabilidades. Enfim, tipo praça resolve problema de praça, como se o adjunto de comando tivesse poder de decisão.

    Resposta
  • 27/12/2018 em 09:47
    Permalink

    Esses adjuntos de comandos são muitos cordeirinhos ,prefiro um ST galo cinza a esses nutelas aí.

    Resposta
  • 28/12/2018 em 08:43
    Permalink

    É simplesmente uma vergonha essa CP QAO.

    Resposta
  • 28/12/2018 em 11:23
    Permalink

    Função que veio para quebrar a hierarquia das praças. Diferente dos Of qdo chega uma mais moderno o outro mais antigo é transferido. Aqui em ….. foi nomeado um 1Sgt que saiu sub recentemente e manda no quartel e arrebenta os sub mais antigos trocando de função ou mandando para destacamentos.

    Resposta
    • 29/12/2018 em 12:11
      Permalink

      Isso é crime de usurpação de função pública.

      Resposta
  • 29/12/2018 em 11:28
    Permalink

    ESSES SENHORES AÍ SÓ QUEREM SABER DAQUELES PONTINHOS DO CURSO PRA SAÍREM QAO. NADA MAIS DO QUE ISSO,

    Resposta
  • 29/12/2018 em 12:07
    Permalink

    Essa função é igual cinzeiro de moto, ninguém sabe para que serve.

    Resposta
  • 29/12/2018 em 12:16
    Permalink

    Na minha OM o adjunto de comando se acha o cmt da unidade. Ele fica falando “é ordem do coronel’, “é ordem do coronel”.

    Resposta
  • 29/12/2018 em 13:02
    Permalink

    Não tem nada escrito que militar com imóvel não tem Direito a PNR, porém ao meu ver acho imoral. O camarada que tem a função de auxiliar ser o ELO dos Praças aproveitar a oportunidade e se dar bem. Cara acho imoral. Um cara destes será que tem moral perante os Praças.

    Resposta
  • 29/12/2018 em 15:25
    Permalink

    Não, porque sou QE, mas nunca faria um curso de capitão-do-mato.

    Resposta
  • 29/12/2018 em 20:02
    Permalink

    Essa função só serve para os caras ganharem uns pontinhos e nada mais. É uma tática interessante para um comando manter as coisas sobre controle com um menor desgaste para o comandante.

    Resposta
  • 29/12/2018 em 20:25
    Permalink

    QUERO VER OS ADJUNTOS DE COMANDO DENUNCIAR A CP QAO.

    Resposta
  • 30/12/2018 em 06:31
    Permalink

    O QUE FAZ UM ADJUNTO DE COMANDO PARA TER TANTO DESCRÉDITO ASSIM COM OS SEUS PARES E SUBORDINADOS?

    Resposta
    • 30/12/2018 em 13:38
      Permalink

      Esta é a questão: NÃO FAZEM NADA PELA CLASSE. So fazem para si próprios. Mais a real finalidade da criação de função tão desrespeitosa, que quebra a hierarquia, é dividir a classe e criar um fantoche ridículo que defende as ordens do comando contra sua classe; mesmo que estas ordens sejam erradas. Criam homens, sem honra, sem honra não……já não tem honra a se dispor a isso. Homens que se humilham por uma promoção, puxam saco de outros homens, se humilhando, se tornando emfim, não um homem, mais um idiota. Um homem que se acha melhor que seus pares por ter sido escolhido, mais é um infeliz excluído de sua classe, que envergonha a si mesmo, sua classe, sua esposa e filhos…..acham que esta por cima, mais se engana.

      Resposta
      • 31/12/2018 em 20:00
        Permalink

        Cheirinho de inveja e mágoa no ar…

        Resposta
  • 31/12/2018 em 10:06
    Permalink

    O Adj de Cmdo serve para que afinal de contas? Outro dia fui reclamar para o ST Adj Cmdo da minha OM sobre escala aí ele me falou que não era sgtte e foi incapaz de me ouvir.

    Resposta
    • 31/12/2018 em 20:10
      Permalink

      Cada macaco no seu galho… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Quer um consolo? Os dragões (1º RCGd) já estão treinando à cavalo e uniforme histórico para a posse do Presidente Bolsonaro desde antes do início da dispensa de Natal. Fora a cara.lhada de escalas de serviços que tem por lá.
      Hipo, Selva, Aço, Brasil!!!

      Resposta
  • 31/12/2018 em 21:49
    Permalink

    Essa função tá mais para puxa-saco-mor do que outra coisa.

    Resposta
  • 31/12/2018 em 21:53
    Permalink

    Indigna essa função porque formalizaram de fato o cargo de bajulador na força.

    Resposta
  • 31/12/2018 em 22:02
    Permalink

    AFINAL QUAL É A FINALIDADE DE SE TER ADJ DE COMANDO NO EB?

    Resposta
  • 02/01/2019 em 12:18
    Permalink

    BOLSONARO é a nossa esperança para acabar com a injustiça com os nossos ST.

    Resposta
  • 03/01/2019 em 15:56
    Permalink

    Os graduados do Exército brasileiro têm demonstrado interesse por um instrumento exógeno de representatividade. As Forças Armadas dos países Europeus, principalmente Portugal, também manifestaram, no início do século XXI, interesses por representatividade “extra corporis”. Tal ideia, surgiu porque chegaram à conclusão que os chefes militares não defendem os interesses profissionais dos militares como deveria. Infelizmente, aqui no Brasil não é diferente. Na década de 2000, surgiram associações socioprofissionais com o intuito de falar acerca dos principais problemas que incomodam os graduados. Por fim, seus membros foram perseguidos e alguns excluídos e as associações extintas, com exceção da APRAFA-DF. De certa forma, o Exército brasileiro, preocupado com a situação, criou o Adjunto de Comando. Embora a portaria que o criou não diga com todas as letras, a verdade é que foi institucionalizada a representatividade dos graduados por meio de um militar também graduado. Trata-se de uma ideia inovadora, mas que não resolve os problemas profissionais dos graduados. Em primeiro lugar por que se trata de representatividade não democrática. Ao contrário do que ocorre nas Associações, o representante não é escolhido pelos pares, não é eleito, e sim escolhido a dedo. Além do mais, o Adjunto de Comando não tem liberdade de reunião, de expressão e de manifestação. Sem essas liberdades não há representatividade. Esses são os maiores problemas que enfraquece tal inovação. Ressalte-se que o Adjunto de Comando não se presta a resolver problemas individuais de graduados, e sim da coletividade. No entanto, os Adjuntos de Comando não estão preparados para isso, tampouco a própria Força. Diante desse contexto, percebe-se que os militares das Forças Armadas brasileiras, principalmente os graduados, vêm demonstrando ao longo dos tempos estreitar as relações civis-militares. A representatividade dentro do sistema não revela mais confiança entre os graduados. Como toda profissão, a militar também necessita de representatividade. O Estado brasileiro deve permitir que os militares (graduados) sejam inseridos na sociedade, garantindo-lhes o exercício dos direitos e garantias constitucionais, como fez Portugal. Para isso, é preciso que as Forças Armadas brasileiras façam de seus militares verdadeiros cidadãos, em que só caberiam restrições em casos excepcionais.

    Resposta
  • 03/01/2019 em 17:14
    Permalink

    Esses caras aí só sabem babar comandantes, perseguir praças enfim são uns verdadeiros capitães-do-mato.

    Resposta
  • 04/01/2019 em 13:16
    Permalink

    Sou ST de 92 bacharel em Direito indo para 5° QA estou completando 30 anos de serviço no mês que vem. então resolvi pedir reserva para trabalhar na iniciativa privada. Por isso comecei a correr atrás dos documentos como certidão do INSS, folhas de alteração e LE tudo pra quando chegar fevereiro eu fazer o meu requerimento e evitar problemas na documentação. Fui então abordado pelo adjunto de comando da minha OM que é 5 anos mais moderno que eu. Ele sugeriu que eu esperasse mais um pouco porque minha promoção poderia sair a qq momento, era uma questão de tempo e com o Bolsonaro as coisas poderiam mudar muito no tocante a benefícios aos militares. Então perguntei-lhe se tinha alguma certeza da minha promoção ou se ele estava levantando apenas uma possibilidade. Ele disse que alguém de Brasília havia lhe dito que as coisas irão melhorar inclusive na questão da promoção a QAO. Aí eu disse-lhe que não tomava decisões baseada em hipóteses remotas e que a minha decisão já estava tomada. Enfim, esses caras são muito fraquinhos em argumentar a favor dos praças. Pra mim, ele estava defendendo os interesses do comando que por várias vezes utilizou o meu conhecimento jurídico para sanar dúvidas. Engraçado foi que ninguém me procurou quando fui preterido por 4 vezes.

    Resposta
  • 04/01/2019 em 22:46
    Permalink

    É isso aí ST 92 bacharel em Direito, é uma vergonha o que fazem com a gente. O exército não valoriza os praças capacitados com boas ideias, na minha OM tem um ST mestre em Ciências da Computação, o chefe dele é um QAO (Ch da Seção de Informática) Tecnólogo em Processamento de Dados. Pois é, o ST é da Turma 91 e já foi preterido 6 vezes sendo que o chefe dele é da turma de 92, dá pra entender esse tipo de coisa.

    Resposta
  • 07/01/2019 em 09:19
    Permalink

    Ninguém se importa com ninguém, a não ser para atrapalhar ou para prejudicar. Essa é a filosofia que orienta hoje o ilegal processo de promoção a QAO.

    Resposta
  • 07/01/2019 em 21:18
    Permalink

    QUERO VER ESSES ADJUNTOS ATUANDO E PROPONDO IDEIAS QUE POSSAM MELHORAR O PROCESSO DE PROMOÇÃO A QAO.

    Resposta
  • 11/01/2019 em 16:50
    Permalink

    Vou pedir a Reserva e montar uma loja de lenço. Vou ficar rico vendendo pra Praça chorão. Nesse rio de lamuria e choradeira vou encontrar muitos fregueses.

    Resposta
  • 20/01/2019 em 13:10
    Permalink

    Pessoal, perdoem a minha falta de conhecimento

    Mas não seria melhor reduzir as vagas de CPOR/NPOR e dedicar essas vagas ao oficialato para praças de carreira, onde o salario seria o respectivo ao de seu posto, mas o soldo quando passa-se a reserva seria um pouco inferior para evitar um impacto no orçamento

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.