19 de abril – Dia do Exército: ‘Nós Somos da Pátria a Guarda, Fiéis Soldados (…)’

Hoje, 19 de abril de 2018, comemoramos 370 anos da Batalha dos Guararapes, berço histórico do Exército Brasileiro.

Naquela oportunidade, o sentimento de Nação fez brotar a sinergia necessária para derrotar os invasores estrangeiros, mais numerosos e mais bem armados. Consolidamos ali, pela união das raças e convergência de ideais, o sentimento de Pátria.

Em solo nordestino, plantamos a raiz do Brasil de hoje, com negros, brancos, índios e mestiços, irmanados e ombreados para expulsar o invasor. Evoluímos, desde então, inspirados nos exemplos da Insurreição Pernambucana. Vieram as lutas nativistas, a Independência, o combate às insurreições, as campanhas na região do Prata, a Abolição da Escravatura, a República, a Segunda Guerra Mundial e os desafios da modernidade. Evoluímos em consciência e pujança.

Progressivamente, firmaram-se as instituições de Estado, entre elas, as Forças Armadas e o Exército, escoradas em forte sentimento de soberania e integridade territorial, sempre em constante aperfeiçoamento.

Essa caminhada, entretanto, não tem sido fácil e registra, como agora, diversos momentos de crise, que exigem da sociedade sacrifício, entendimento e coesão.

O Exército – que surgiu em Guararapes, liderado por Vidal de Negreiros, Felipe Camarão, Henrique Dias, João Fernandes Vieira e Antônio Dias Cardoso, todos reconhecidos como “Heróis da Pátria” – prefere não adotar os conceitos de sociedade civil e sociedade militar. Junto à Marinha e à Força Aérea, integra uma sociedade única, capaz de entender as lições do passado, participar continuamente da construção do presente e contribuir com um futuro de paz, justiça e prosperidade para todos os brasileiros.

O Exército de hoje renova, diariamente, seu compromisso de defender, desde sempre, a Pátria, a soberania e a liberdade. Cada vez mais, faz-se presente em todo o território nacional: na fronteira do Estado de Roraima, onde acolhe e ampara os irmãos venezuelanos em uma operação interagências; no Rio de Janeiro, contribuindo diretamente com a Intervenção Federal; na Garantia da Lei e da Ordem, no lugar em que se fizer necessário; nas Operações na Faixa de Fronteira, na qual combate os ilícitos; no semiárido nordestino, onde distribui água. Indo além, vistoria presídios, constrói e recupera vias de transporte, socorre atingidos por calamidades e participa de missões de paz da ONU.

Inspirado em seu nascedouro e fiel às ideias de seu Patrono, o Duque de Caxias, atua em obediência à Constituição Federal e às leis, instrumentos que precisam ser interpretados e compreendidos com objetividade e em sintonia com a realidade nacional.

Ordem e Progresso são substantivos de conotação clara e robusta, capazes, por si sós, de iluminar nossa trajetória. Não acontecem sem respeito à lei, sem amor ao País e sem honestidade de propósitos.

O Exército Brasileiro não tem servidão maior do que a Pátria e, por conseguinte, esteve e está presente em todos os episódios da nossa História. Até por isso, não pode ser conhecido por outro nome ou rótulo. Somos simplesmente o Seu Exército, aquele em que a nossa população deposita elevados índices de credibilidade.

Nossa Força Terrestre caminha em meio a dificuldades e desafios, entre os quais estão um orçamento aquém dos imperativos de suas missões e a defasagem salarial de seus soldados em relação às demais carreiras de Estado, obstáculos que não desviam os militares do propósito de estar, exclusivamente, dedicados e prontos para defender a Pátria.

E nossa Pátria precisa ser defendida!

Não podemos ficar indiferentes aos mais de 60 mil homicídios por ano; à banalização da corrupção; à impunidade; à insegurança ligada ao crescimento do crime organizado; e à ideologização dos problemas nacionais.

São essas as reais ameaças à nossa democracia e contra as quais precisamos nos unir efetivamente, para que não retardem o desenvolvimento e prejudiquem a estabilidade. O momento requer equilíbrio, conciliação, respeito, ponderação e muito trabalho.

Nas eleições que se aproximam, caberá à população definir, de forma livre, legítima, transparente e incontestável, a vontade nacional. Definido o resultado da disputa, unamo-nos como Nação. Será esse o caminho para agregar valores, engrandecer a cidadania e comprometer os governantes com as aspirações legítimas de seu povo. O Exército acredita nesse postulado.

Orgulhoso é o Exército, que traz sua essência de Guararapes; nobre é o Exército, que tem Caxias como Patrono; e feliz é o Exército, que se sente integrado, querido e respeitado por seu País.

Brasil Acima de Tudo !

4 comentários em “19 de abril – Dia do Exército: ‘Nós Somos da Pátria a Guarda, Fiéis Soldados (…)’

  • 19/04/2018 em 13:37
    Permalink

    Vi na pagina do seletista de mensagens do Montedo os Comandantes das Forças prestando continências ao Temer, vou replicar a mensagem aqui: A pior geração de comandantes das Forças Armadas, Pior geração de generais, Corruptos ou omissos frente a Corrupção. Prestando Continências a um Bandido. o Negocio é estes velhos decreptos garantirem suas vagas nas estatais apos a ida pra reserva. Oficias falsos que não se importam com sua tropa, principalmente com seus praças, que tratam como se não fosse do mesmo Exército. Se acham donos da instituição. Deixaram politicos desmantelarem as Forças e acabarem com o salarios de seus quadros. Ganhamos menos que quaisquer PM ou Bombeiros Militares.

    Resposta
  • 19/04/2018 em 13:58
    Permalink

    A Incompetência dos EME, Oficiais Generais e demais oficiais, levaram a defasagem salarial que existe hoje, Ganhamos menos que as Forças Auxilares, que possuem escala de serviço, 24 x 12 ou 12 x 36, enquanto os burros de carga das FFAA, Principalmente do EB tiram serviço 24 horas ainda cumprem expedientes (mais Praças que oficiais, pois so tenentes passam por isso)……a pior carreira do executivo. Nada há a se comemorar.

    Resposta
  • 19/04/2018 em 18:20
    Permalink

    Infelizmente, fomos vendidos pelos Mega Corruptos: General Gleuber, ALbuquerque, e Enzo. Além disso, formaram-se na AMAN, os mais fracos oficiais de toda a história do EB, dentre os quais, nos dias hodiernos, estão em cargo de comando.

    Resposta
  • 20/04/2018 em 09:27
    Permalink

    E hoje é o dia do famigerado QA.
    Já circulando por aí.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.