A origem do Quadro Especial de Sargentos

‘Reportagem do Blog do Montedo’

Publicação original: 31/3 (08:54)

Meus caros, há tempos venho pensando em tecer algumas considerações sobre o Quadro Especial do Exército. Não o fiz antes porque o bate-boca sobre o assunto na área de comentários, por vezes, chega a ser deprimente, seja pela ferocidade de muitos, seja pela indigência intelectual de alguns.

Enfim, tomei coragem.

A EsSA e os ‘Novos Lamarcas’

Após a deserção de Lamarca, em janeiro de 1969, temendo que novos guerrilheiros esquerdistas surgissem em suas fileiras, o Exército suspendeu a formação de sargentos na EsSA  entre 1970 e 1976. Nesse período, os graduados foram formados apenas em unidades de tropa, em pequenos grupos, modalidade que já existia anteriormente.

Estabilidade como regra

Nessa época, a estabilidade era concedida a militares de diversas qualificações. Todos os quartéis tinham muitos cabos que ultrapassavam os dez anos de serviço,  prática que foi interrompida em 1975. A partir de 1976, só estabilizavam os de ‘difícil formação’, como corneteiros, operadores de comunicações, etc.

Os ‘velhinhos’ na EsSA

Entre os anos de 1976 e 1981, o limite de idade para admissão na EsSA foi de 35 anos de idade no ano da matrícula. Isso abriu a possibilidade para que os chamados ‘cabos velhos’ pudessem prestar o concurso. Muitos deles foram aprovados e fazem parte das turmas de 1977 a 1982. Aqui, uma ressalva: tenho colegas de turma que cursaram a EsSA com até 35 anos de idade. Jamais testemunhei qualquer favorecimento a esses em relação a jovens como eu, no auge dos meus 20 anos. Os ‘velhinhos’ ralaram muito para conseguir suas divisas. Segue.

Surge o QE

Já com a decisão de reduzir a idade limite para 25 anos no concurso de 1982, o Exército criou o Quadro Especial, em agosto de 1981. Assim, os soldados e cabos estabilizados com mais de 15 anos de serviço que possuíssem a quarta-série do primeiro grau adquiriram o direito a uma promoção, a cabo ou terceiro-sargento, respectivamente. O Decreto de criação previa, textualmente, “a redução gradual [do Quadro Especial] mediante transferência para a reserva remunerada, reforma ou licenciamento, processadas de acordo com as disposições do Estatuto dos Militares e dos Regulamentos do Exército, ou, ainda, por aplicação de cotas compulsórias estabelecidas de conformidade com os citados diplomas legais.”

C’est fini

Esta, meus amigos, sem tirar nem por, é a origem do Quadro Especial. Ele foi criado para compensar a impossibilidade dos cabos estabilizados cursarem a EsSA. Ponto final.

http://montedo.blogspot.com.br/2018/03/a-origem-do-quadro-especial.html

5 comentários em “A origem do Quadro Especial de Sargentos

  • 02/04/2018 em 10:40
    Permalink

    É, o que da mais postagem é comentários sobre os QE !!! Sabe o que gosto mais no seu Blog Ten Messias Dias? É que aqui se fala também sobre a carreira de sargento de EsSA e subtenentes até QAO. lá no Montedo não se fala mais.

    Resposta
  • 02/04/2018 em 20:37
    Permalink

    Engraçado! O Lamarca foi formado na AMAN, e o EB acaba com a ESA. Piada pronta.

    Resposta
  • 03/04/2018 em 09:03
    Permalink

    Pera aí; o Lamarca, pelo pouco que sei, foi formado na AMAN; bem como também foi aluno do Colégio Militar de Porto Alegre; não tem uma certa incoerência aí?

    Resposta
  • 13/04/2018 em 19:18
    Permalink

    continuem com essa prática de humilhar o quadro especial, traz muitos benefícios. O gen villas boas chegou e tá indo e nada de bom trouxe para os praças. o jungmann chegou e partiu e nada trouxe de bom para os praças. o gen silva e luna tá aí, é general, certeza que vai trazer muita coisa boa para os praças. o bolsonaro pode ser eleito, caso isso aconteça muitos generais terão cargos garantidos e para os praças? sim, claro, muitas coisas boas virão. enquanto isso continuem jogando a culpa no quadro especial.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.