A REALIDADE DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS NO RIO DE JANEIRO.

Sem Garantias Legais, Desarmados, com Medo e Acuados em suas Casas. O Drama dos Militares das Forças Armadas.

A FALTA DE GARANTIAS LEGAIS E PREJUÍZOS EMERGENTES

Enquanto as ditas Autoridades debate, em suas vaidades, os holofotes das Operações no Combate ao Crime do Rio de Janeiro, com medidas paliativas, apenas como resposta momentânea, sem planejamento eficaz para desarmar ou ao menos reduzir o vasto potencial bélico, a disposição do Crime Organizado e das Milícias, os Militares das Forças Armadas, atuam como “figurantes”, sem Garantias Legais, Desarmados, com Medo e Acuados ao retornarem as suas Residências.

A continuar, no modelo atual, sem o Comando das Operações, às Forças Armadas permanecerão “Ad Eternum” no Estado Fluminense, e, por consequências, obterão resultados desastrosos para a sua Imagem e condições de Vida dos Militares, especialmente, as “Praças”.

MILITARES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE

Vamos ao ponto crucial. Os Militares Praças das Forças Armadas, especialmente os Soldados e Cabos são moradores justamente das Periferias, Morros, Favelas ou “Comunidades”. Assim, finda cada Midiática Operação, como retornar as suas casas, nessas áreas tomadas pelo crime? Então restaria aprisioná-los eternamente nos Quartéis, para ao menos não expor as suas famílias. Sabemos que seria impossível, quer seja por nossa eterna necessidade de carinho e afeto, também a falta de condições dos Quartéis e que os Cabos e Soldados são Temporários, assim mais cedo ou tarde, serão, “mão a frente, mão atrás”, Licenciados das Fileiras Militares.

Os Subtenentes e Sargentos, exceto os que moram em Vilas Militares que fazem companhia nessa Habitação a maior parte dos Oficiais, também moram em “Comunidades”, ou possuem casas também em áreas dominadas pelo crime, como Campo Grande, Seropédica ou Realengo.

 FORÇAS ARMADAS “DESARMADAS”

 Enquanto o Governador Pezão concede Isenção de Impostos para que os seus Policiais adquiram Arma de Fogo, nas Forças Armadas impera que os Comandantes não conceda Porte de Arma aos Praças, ou sequer  autorizem à aquisição, ainda que se trate de Subtenentes e Sargentos, com 10, 20 ou 30 anos de Serviço.

“DANIEL NA COVA DOS LEÕES”

Essa é a frase que bem sintetizar a realidade dos Militares das Forças Armadas no Rio, em especial os que não foram brindados em morar em Vilas Militares, protegidos por Sentinelas e Guardas, como ocorre com os Oficiais Generais, Superiores e Intermediários.

Então, ao menos que se altere o Estatuto dos Militares, estendendo o Direito ao Porte de Arma, inicialmente aos Subtenentes e Sargentos, bem como a concessão de isenção pelo Governo do Rio de Janeiro, para aquisição de Arma de Fogo, aos Militares das Forças Armadas lotados naquele Estado, nas mesmas condições estabelecidas e concedidas aos Policiais. Proposta de Lei estendendo o Porte de Arma aos Subtenentes e Sargentos.  porte de Arma

4 comentários em “A REALIDADE DOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS NO RIO DE JANEIRO.

  • 07/10/2017 em 18:46
    Permalink

    Horrível e muito lamentável essa situação, precisamos de uma política séria. É tempo e o tempo é agora de reverter essa história.

    Resposta
  • 07/10/2017 em 20:01
    Permalink

    O exercito tem que fazer logo isto o povo vai sofre se esta lei nao for anulada

    Resposta
  • 20/04/2018 em 06:47
    Permalink

    Já passou da hora como sempre bate pais se demora a tomar decisões, tem que entender tá errado, corrige, essa bagunça que se instalou no Brasil, esse STF tem que ser investigado, não possível que os criminosos do colarinho Branco sejam soltos aos baldes, esse Gilmar Mendes precisa ser investigado, ver quanto custa sua cueca, sua meia, como pagou quem pagou, não é possível e olha que os outros também precisam ser investigados, estamos falando de TRILHÕES DE REAIS QUE SUMIRAM E ATÉ AGORA MEIA DÚZIA DE MILHÕES RECUPERAFOS E TODO MUNDO SOLTO.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.