DENÚNCIA DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE DE SOLDADOS DO EXÉRCITO NA ESFCEX – SUPOSTA ACUSAÇÃO ILEGAL DE FURTO

Segundo Fonte, 12 soldados estão sendo mantidos, em privação de liberdade, sem puderem usufruir do direito de ir e vir (vide crimes contra a liberdade pessoal art. 146 a 149 CP) – “Familiares estariam atordoados e com medo

QUARTEL É A ESFCEX E CMS DO EXÉRCITO – RELATOS

Relatos ditam que a determinação, para cercear a liberdade dos Soldados, partiu do Comando da EsFCEx e CMS – Escola de Formação Complementar do Exército e Colégio Militar de Salvador, nas pessoas do Subcomandante, Coronel Saburi e do Fiscal Administrativo.

A Organização Militar é Comandada pelo Coronel Carlos Hassler.

SUPOSTO FURTO SERIA O MOTIVO DO CÁRCERE

Segundo Fonte, desapareceu ou existiu furto, de 3 rolos de fio elétrico, de espessura de 90mm. Material bastante volumoso, com valores aproximado, em torno de 5 mil reais.

Ainda nos relatos é citado que o suposto material desaparecido, só poderia sair do aquartelamento transportado em veículo automotor, carro, em virtude do peso e volume elevado, não sendo possível ser transportado em mãos ou a braço.

PRAÇAS NÃO ADENTRAM AO QUARTEL DE CARRO – DISCRIMINAÇÃO

Conforme relatos, às Praças, Subtenentes, Sargentos, Cabos e Soldados, não adentram as instalações da EsFCEX e CMS de carro, pois são proibidos. Seus veículos, quando possuem, permanecem junto a entrada do Quartel no Corpo da Guarda.

Na narrativa, cita também que o fato demonstra discriminação para com os Soldados e Cabos, pois, em verdade, em sua maioria não possuem carros e apenas os Oficiais podem adentrar motorizado nas instalações da citada Organização Militar.

Estando também os Soldados, constrangidos e coagidos, uma vez já estarem sendo marginalizados.

DOCUMENTO OFICIAL DEMONSTRA NÃO EXISTIR PUNIÇÃO

Documento Oficial, conhecido como “Pernoite”, expressa que os Soldados, não estão sequer punidos, ratificando o Abuso Perpetrado.

PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA  – DIREITO FUNDAMENTAL

Também relata que o desaparecimento do material é proveniente desde o início de 2018 ou não se sabe determinar a data, o que impede a aplicação do Decreto nº 4.346, de 26 de agosto de 2002, art. 12, § 2º e 3º (Regulamento Disciplinar do Exército) – Também não há flagrante e sequer indício de autoria.

Outro ponto controverso vem no sentido de se buscar investigar o motivo da suposta detenção ilegal desses Soldados, em ambiente ao qual convive centenas de Militares, todos, em princípio, gozando da mais plena Presunção de Inocência.

Confirmando-se os fatos estamos tratando da mais pura arbitrariedade, tendo como vítima, justamente, os indefesos – “HAITI – Caetano Veloso

OCORRENDO FURTO É OBRIGATÓRIO INQUÉRITO POLICIAL MILITAR

Existindo assertiva no tocante ao suposto furto de material da Fazenda Nacional, em Instalações Militares, deve existir o competente IPM – Inquérito Policial Militar, conforme art. 9º do CPM.

CABE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR – FISCAL DA LEI

O Ministério Público Militar, Fiscal da Lei, deve fazer frente e investigar a suposta violação dos Ditames Legais, onde, provavelmente, exista Abuso de Autoridade, descumprimento de normas legais, constrangimento ilegal, dentre outros.

No mesmo Quartel existiu, em 2017, investigação de maus tratos por meio de PIC – Procedimento Investigatório Criminal, bem como Ação Judicial no Juizado da Infância e da Juventude”

 

15 comentários em “DENÚNCIA DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE DE SOLDADOS DO EXÉRCITO NA ESFCEX – SUPOSTA ACUSAÇÃO ILEGAL DE FURTO

  • 16/02/2018 em 21:29
    Permalink

    É interessante que não vejo essas coisas quando o ladrão é oficial – geralmente fiscal administrativo, chefe da SALC ou até o próprio comandante da OM – são dois pesos e duas medidas.

    Resposta
  • 16/02/2018 em 21:27
    Permalink

    Cada um dos Soldados deveria procurar um advogado e entrar com ação de indenização por danos morais. Alguns coronéis imbecis ainda não perceberam que a ditadura militar já acabou e vivemos num Estado Democrático de Direito.

    Resposta
  • 11/02/2018 em 18:59
    Permalink

    Cuidado!!! As vezes o furto pode estar bem aquém do soldados!!!

    Resposta
  • 12/01/2018 em 20:54
    Permalink

    Isso é um absurdo , eu tinha um sonho de serve o exercito mais por causa de pessoas incapacitadas emocionalmente foi o pior ano da minha vida … Certo dia uma vez um aparelho celular foi frutado na Om que eu servia ao não encontrar todos nos que estávamos presente no dia fomos obrigados a ficar nus , e tivemos que se agachar varias vezes para que eles terem certeza de que o celular não tava nas nossas partes íntimas …. Depois daquele dia o exército se tornou um lixo pra mim .
    Sei que vários amigos que serviram comigo vai ler essa mensagem e vai se lembrar do fato ocorrido ….

    Recrutamento é uma forma de mão de obra barata …. Infelizmente uma instituição que suga toda nossa economia por isso o pais edta do jeito que estar .. Os mais remunerados humilhando os menos remunerados ….

    Esse foi um pequeno desabafo de soldado que se arrependeu de servi ao seu pais , pela sua pátria chama Brasil mais sim por uma instituição chamado exercito Brasileiro…”lixo”

    Resposta
  • 12/01/2018 em 13:15
    Permalink

    Em tese, já que, segundo o Blog trata-se de material volumoso e não teria como ser transportado em mochilas ou nos braços, e ainda segundo o Blog, só quem tem acesso ao interior do quartel com veículos são os oficiais, logo os praças seriam os últimos suspeitos! Questão óbvia!

    Resposta
  • 12/01/2018 em 13:08
    Permalink

    Ainda não caiu a ficha desses senhores que cometeram esse absurdo, que esse tempo já passou, até parece que eles desconhecem ou simplesmente ignoram a existência da Constituição.

    Resposta
  • 11/01/2018 em 22:23
    Permalink

    Coronel saburi é um desequilibrado , Eu bem vi quando servir lá, sem noção de nada nem era pra tá como sub Comandante

    Resposta
  • 11/01/2018 em 22:01
    Permalink

    Político com mala não é crime, O praça de baixa renda é sempre o suspeito, “sem preconceito ao pobre”.Tão de sacanagem estas autoridades.

    Resposta
  • 11/01/2018 em 20:05
    Permalink

    É a velha máxima “Vamos apertar até que alguém se acuse…”, deixem que o MP aperte agora.

    Resposta
  • 11/01/2018 em 19:34
    Permalink

    Infelizmente é assim praça nao tem vez agora cabe aos familiares dos guerreiros entrar com uma acão na justiça Pois estão sendo mantidos nessa situação sem base alguma o ideial era todos familiares era procurar um so Advogado para reverter essa situação e exigir da instituição remuneração pelo abuso que vem ocorrendo

    Resposta
  • 11/01/2018 em 15:26
    Permalink

    Imagine as famílias desses rapazes como estão agora, a preocupação e angústia de não ver seu jovem retornar a suas casas.

    Resposta
  • 11/01/2018 em 15:17
    Permalink

    Absurdo o que estão fazendo com esses rapazes!

    Resposta
  • 11/01/2018 em 12:46
    Permalink

    Meu Deus !!!
    E pensávamos que os tempos negros e violentos da ditadura militar havia terminado.
    Cadê o MPM ?
    Omissão ?
    Corporarivismo ?
    Prevaricação ?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.