A IDEOLOGIA PARA INTERVENÇÃO MILITAR

Grave Crise Institucional, Presidente da República com 97% de Reprovação, Políticos mais Desacreditados e Corruptos do Mundo, STF de Bandeiras Políticas, Ministério Público em Negociações Suspeitas e  Generais, Maiores Líderes Militares, induzem o Povo a Manifestar-se. Intervenção Militar às Portas da República?

GRAVE CRISE INSTITUCIONAL

Os Poderes da República, incluso também o Ministério Público, não respeita o sistema de “Freios e Contrapesos”, ou numa linguagem rasa, não há harmonia, estando em intensos conflitos. Basta observar que, possivelmente, pela 2ª vez, o Senado descumprirá mandado do STF de afastamento de “Coronéis Senadores” (Renan Calheiros e Aécio Neves), além do vergonhoso “Vale Tudo”, entre Janot e Temer.

PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE MAIOR REPROVAÇÃO POPULAR

Cá pra nós, você que foi a rua e bateu panela pelo impeachment de Dilma deve estar arrependido ou revoltado. Não que Dilma fosse uma boa governante, diga-se, daquele governo, o que marcou foi a “saudação à mandioca”, mas certeza que o “tiro saiu pela culatra”. Temer e os seus Ministros, sinceramente, representa o que há de pior na política. “Aterrados na lama”, com compra escancarada de voto por meio de liberação de emenda parlamentar, para ter o seu processo crime interrompido; isso, além de Reformas, como a do Trabalho e da Previdência, que só castiga o Trabalhador (vassalos) e mantém as benesses das Altas Classes (Aristocracia). Em qualquer País civilizado, onde o governante tenha o mínimo de sensatez, Temer já teria Renunciado, pois não é cabível, numa Democracia, aonde o Poder é Emanado pelo Povo, justamente, ter um Presidente com míseros 3% de aprovação. Então só nos cabe uma posição, aconselhá-lo, a uma conhecida frase “PEDE PRA SAIR!”.

OS NOSSOS CORRUPTOS POLÍTICOS

Se forem produzidas mil pesquisas, todas, absolutamente todas, apresentariam que os Políticos brasileiros são os da pior estirpe. Dos 584 Congressistas, 513 na Câmera Federal e 81 Senadores, são raros os que não estão envolvidos em alguma espécie de corrupção. Na sua maioria corruptos “Stricto Sensu”, ou seja, costumas, por meio venda de  leis, Emendas, MP e tantas outras desgraças. Outros são os corruptos Lato Sensu, ou seja, aparência de honesto, quando na verdade buscam tornar suas famílias verdadeiros clãs políticos e/ou voltados, unicamente, para o usufruto do bem público por meio de suas bancadas: religiosa, evangélica, LGBT, ruralista, da bala, do boi, conservadores, liberais e da… Mas na verdade, todos pertencem à mesma bancada: DA HIPOCRISIA! Como se não bastasse, ainda temos as ociosas e caras Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais.

OS NOSSOS POLÍTICOS MINISTROS DO STF

Da composição da Suprema Corte (11 Ministros), provavelmente, salve-se o Decano Celso de Mello e as Ministras (MULHERES). Os demais, verdadeiros Comentaristas Juristas Políticos Partidários. “Causa espécie” que, mesmo antes das votações, a imprensa já saiba como votarão os Ministros, inclusive, com acerto do placar de Sentenças. Tem-se de tudo: Ministro Advogado do PT, outro Advogado do PSDB, Ministro Militante Político, Ministros Legisladores (deveriam estar no Congresso), Ministros “Boca de Conflito” tamanha a necessidade de holofote. Ainda existem os falsos moralistas, quando na verdade tem filhos apadrinhados em Tribunais e sustentam o recebimento de salários acima do Teto Salarial do Servidor Público, especialmente para os Magistrados e Ministério Público, ou seja, “faça o que digo, não faça o que eu faço” ou “farinha pouca o meu pirão primeiro”. Mais grave, negociando com o Parlamento e Governo. Isso sem entrar no mérito da morosidade e vendas de sentenças, Brasil a fora.

NEGOCIATAS NADA REPUBLICANA NO MINISTÉRIO PÚBLICO

Ah! Se não fosse o ex-Procurador, Marcelo Miller, amigo do então Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, em negociatas com a JBS, e o próprio Janot, naquele encontro no barzinho de “seu Zé”, escondido por detrás de caixas de cerveja, com o Advogado da própria JBS, além do seu estranho e revogado acordo de colaboração premiada, seria digno de aplausos. Têm-se ainda as 10 medidas contra a corrupção, quando na verdade são superpoderes ao Ministério Público, basicamente que os tornaria Acusador e Julgador. Bem fundamentava Ruy Barbosa: “a pior Ditadura é a Togada”. “Quase acreditei na sua promessa”.

GENERAIS DA MAIOR PATENTE SE MANIFESTAM PUBLICAMENTE

A recente manifestação do General Mourão ditando que os Militares tem planejamento para a Intervenção, que seus homólogos compactuam com ele, no sentido de que se os Poderes não resolver a crise, às Forças Armadas o fará. Corroborado com a conclamação do General Pujol, oficial triplamente coroado, Comandante Militar do Sul, maior contingente Militar, para o Povo ir às ruas, em multidão (seguindo o exemplo dos Venezuelanos), e dar um basta a todo esse desgoverno e corrupção, nos faz lembra 1964. Temos ainda como agravante, que o País encontra-se com índices de violência absurdos, ou seja, ou na mão de bandidos de “colarinho” ou na mão de bandidos do tráfico e das armas, em verdade, todos bandidos. O sentimento em redes sociais é que as Policias do Brasil, todas, estão comungando com esses ideais, enquanto que nas Forças Armadas o Oficialato sim, estaria unido, enquanto as Praças “so so”.

INTERVENÇÃO ÀS PORTAS DA REPÚBLICA?

Pergunta interessante, face o contexto. Atrevemo-nos dizer, que se o Povo aceitar o convite ou a incitação de Pujol, haveria um “cheirinho de ruptura democrática”. Diria o demagogo e hipócrita Eduardo Cunha: “Deus Abençoe essa Nação”!

MAS COMO SERIA O DIA DEPOIS DO AMANHÃ?

Para a Intervenção Militar em 1964, o Comunismo fora o principal pano de fundo, enquanto que no contexto atual a Crise Institucional, revelada por meio da corrupção desenfreada, desgoverno, perda de valores e insatisfação popular estariam como sendo as principais causas. E o dia depois do amanhã: Dissolução do Congresso, aumento do número de Ministros do STF e posterior exoneração de alguns atuais Ministros (vide 1965 e AI-5), Militares assumem a chefia do Executivo Federal e de todos os Ministérios, destituição de Governadores e Prefeitos e seus respectivos Secretários, aposentadoria compulsória de diversos Magistrados e Membros do Ministério Público, intervenção em diversas Autarquias…Ufa! E a corrupção nos Quartéis? Também se exoneraria e aposentaria compulsoriamente, os envolvidos? Assim, já estamos enxergando SOLDADOS RECRUTAS, como dirigentes do País. Convenhamos: não existe qualquer tipo de planejamento de Intervenção Militar para esse contexto. A Democracia é a única saída para a solução da atual crise. O Poder do Povo estar (infinitivo) no VOTO. Que saibamos usá-lo em 2018 ou seremos eternos culpados!

5 comentários em “A IDEOLOGIA PARA INTERVENÇÃO MILITAR

  • 03/10/2017 em 11:51
    Permalink

    O Brasil so tem puliticos ladrões q so penosano próprio bolso. Tem q as 4forçastomar opoder do Brasil

    Resposta
  • 03/10/2017 em 13:05
    Permalink

    Bom dia a todos, parabéns Tenente Messias pelo belíssimo trabalho que vem fazendo nas redes e em especial com o Instituto dos Reservistas da Pátrià.
    Na história do Brasil, assim como da América Latina em geral, essa doutrina confunde-se com o autoritarismo, pode até mesmo ser encarada como uma forma particular dessa forma de governo. De modo geral, o autoritarismo e em especial a vida militar baseia-se em valores como: ordem, disciplina, hierarquia, segurança e respeito absoluto à autoridade. Também é bastante presente o elemento nacionalista, uma defesa apaixonada da pátria e dos costumes e convenções nacionais, posso falar desse assunto pois em particular eu sou assim, me considero um grande Homem de honra.

    Eu defendo um governo militar no Brasil pois sonho em ver a corrupção chegar a zero um dia e acabar com a desordem promovida por esse tal regime democrático, que não passa mais que um regime anarquista.
    Penso que a saída para esse alegado caos seria um regime militar, mesmo que isso signifique o sacrifício de algumas liberdades e direitos fundamentais, como a liberdade de expressão e de associação, mas faz-se necessário devido a própria bater na que muitas dessas associações causam de mal pra sociedade que em especial defendem apenas interesses próprios.

    O militarismo, quando alcança o governo, costuma se expressar por medidas incompatíveis com aquelas normalmente instituídas em regimes democráticos, precisamos colocar ordem e prosperar no progresso do Brasil.

    Cabo R2 Márcio
    Coordenador do Projeto Brasil Novo Rumo

    Resposta
  • 03/10/2017 em 14:14
    Permalink

    A grande verdade é que todas as instituições estão em crise, até o nosso EB…pior isso parte do povo clama por uma solução…e a ideal é a democrática, a solução seria por meio das urnas.

    Resposta
  • 03/10/2017 em 15:44
    Permalink

    A possibilidade de intervencao militar se faz cada mais presente devido a total falencia do sistema. Seria uma medida desesperada, uma vez que as instituicoes existem e em tese (STF, Ministerio Publico etc etc) estariam ai pra assegurar que a situacao nao se tornasse o zaralho atual. Entretanto, a maquina politica eh completamente contaminada. Jogos de interesse (de varias vertentes politicas) dominam o cenario. O Supremo que deveria ser a ultima linha de defesa da justica, atua as vezes como protecao aos pilantras. De fato a intervencao nao eh solucao, pois convenhamos existe solucao? Como um moribundo, paciente em estagio critico. O maximo que o pais pode fazer nesse momento eh ficar “mais confortavel”. O ideal, que o povo soubesse exercer os seus direitos e pelo instrumento do voto resolvesse a situacao nao se aplica. Uma vez que as intencoes de voto estao ai, notorios condenados lideram as pesquisas. O povo nao pensa em futuro, apenas presente e se contenta com migalhas. O trem descarrilhou e nao existe possibilidade do progresso sem ordem. Acho que esta na hora de tomar um remedio amargo pra que o pessoal possa acordar. Existe plano das Forcas Armadas pra assumir essa situacao? Nao, tambem nao tem preparo, mas ao menos de um modo geral tem um comprometimento com a nacao. Dura realidade a que se encontra o Brasil. Se mantem o status quo caminha a passos largos para o abismo. Se vira o jogo arrisca a perda de certos pontos chaves para a existencia e manutencao de uma democracia. Pessoalmente acredito que a inercia atual em todas as esferas ira se encarregar da situacao. Nao vejo impeto em nenhuma vertente da sociedade. Esse carro vai continuar andando ate quebrar. E ai sera hora de nova organizacao. Grande Abraco!

    Correa

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.