Traidor? Coronel cobra propina para revelar passado de Bolsonaro, segundo a Veja

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), que lidera as pesquisas nos cenários que excluem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ainda tem contas a acertar com seu passado. Em 1987, VEJA noticiou que ele e um colega pretendiam explodir bombas em quartéis do Exército para pressionar a cúpula do governo a conceder reajustes salariais para os militares. O colega é coronel reformado Fábio Passos da Silva, que jamais falou publicamente sobre o episódio. VEJA o localizou em Fortaleza (CE). Silva disse à reportagem que, em troca de 250 000 reais, falaria “sobre o que está nos autos e sobre o que ficou de fora”. A revista não paga por informações.

Já a família de Passos da Silva não desiste de conseguir uma boa recompensa pelo segredo que mantém guardado. A mulher de Passos da Silva procurou recentemente Jair Bolsonaro, um de seus filhos, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e o deputado Marco Feliciano (Podemos-SP), aliado do presidenciável na Câmara. Bolsonaro admite que ela falou em dinheiro, mas assegura que encurtou a conversa porque notou que o pedido cheirava a extorsão. Leia a íntegra da reportagem na edição de VEJA desta semana.

VEJA O VÍDEO NO YOUTUBE DO OUTRO LADO (CORONEL)

Um comentário em “Traidor? Coronel cobra propina para revelar passado de Bolsonaro, segundo a Veja

  • 19/06/2018 em 09:34
    Permalink

    Na verdade eu já conheço a história, Bolsonaro ameaçou, pedia para todos as classes, de praças a oficiais. Foi julgado e obrigado a dar baixa, depois foi eleito a vereador pelas famílias desses militares e quem conhecia sua história…

    O que esse cara contar fica a palavra de um contra o outro, sendo que os autos do processo são os únicos válidos… E o que se pode esperar de quem pede dinheiro?… Se ele fosse um homem de honra, teria um senso de compromisso e falaria sem pedir dinheiro.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.